Site pessoal de (Ana) Lou de Olivier 
   Casa      Danca do ventre
Dança do ventre -
Poesia de Lou de Olivier

Há quem me chame de Odalisca
E do meu amor ouse debochar
Esse, certamente, não se arrisca
Como homem me encarar...

Num momento diz-se garanhão
Saindo com muitas, por ele, apaixonadas
Noutro momento, diz-se na prisão
Amarrado a uma insignificante namorada...

Mal sabe ele, pobre plebeu,
Que quem decide esse impasse sou eu
Sou única, forte, mulher invencível
E seduzir-me, para ele, pode ser impossível..

Sou mulher da dança do ventre
Meu ventre é místico e sagrado
Para que um homem nele entre
Deve ser, antes, muito macho e coroado...

© Lou de Olivier publicada pela primeira vez em 04/07/04 

Você gosta de dança do ventre? Então você vai amar o meu novo romance “Planos para o passado”. Ele traz a história de Arine, uma Escritora que ama dança do ventre e, durante o desenrolar das cenas, ela dança algumas vezes, descrevendo os passos, além de ter uma profunda descrição das várias intenções da dança dos sete véus. 


Para ler esta história,   


                     clique aqui


Se tiver bloqueador de pop ups, clique na capa do e-book a seguir


 




O que a mídia está dizendo:

Lou de Olivier está de volta à Literatura e nos brinda com este espetacular romance: “Planos para o passado” é mais do que um romance. O texto tem muita aventura, ação, amor, dança do ventre, sensualidade e tudo isso acontecendo simultaneamente dentro de um avião prestes a cair.” The São paulo Times edição 16/11/2016

“...um romance, beirando a ficção científica que tem muita ação, viagem no tempo, dança do ventre, amores vividos à flor da pele, a construção e desconstrução psicanalítica e, entre muitos outros “temperos”, a tensão dentro de um avião que pode cair a qualquer momento. Tudo isso acontece ao mesmo tempo em “Planos para o passado”.
The São Paulo Times edição 14/11/2016

                   

Principais avaliações de clientes;


5.0 de 5 estrelas Excelente qualidade de escrita
Por Cliente Amazon 

em 18 de novembro de 2016
Formato: eBook Kindle
Além de ser uma história empolgante é escrita de uma forma bem didática e de fácil compreensão. Fazcom que nos arremetamos a um encontro conosco mesmo através das lembranças e conflitos da personagem.

5.0 de 5 estrelas Excelente!

Por Cliente Amazon 

em 21 de novembro de 2016
Formato: eBook Kindle Compra verificada
Nossa! Fiquei encantada! Começa como se fosse um enredo e acaba de forma inesperada. Mostra a realidade do trabalho dos policiais, uma aula sobre como viajar de avião e também sobre dança do ventre. Ainda mostra o amor vivido sem preconceitos. E fala sobre veganismo... E tudo isso relatado de forma extremamente bem escrita, romanceada e simples de entender. Merece mil estrelas! Recomendo para todas as meninas que fazem (ou querem fazer) dança do ventre pq a autora dá uma aula sobre isso, para quem é ou quer conhecer veganismo e para todos que gostam de física quântica, ficção científica e muito romance e sensualidade.



A Dança do Ventre, em sua origem foi considerada um ritual sagrado. Seu início provável foi há uns 7000 anos, e foi relacionada aos cultos primitivos da Deusa Mãe: provavelmente por este motivo, os homens eram excluídos de seu cerimonial. Sua origem é controversa. Alguns escritos atribuem sua origem aos rituais oferecidos em templos dedicados à deusa Ísis, em agradecimento à fertilidade feminina e às cheias do rio Nilo, as quais representavam fartura de alimentos para a região; embora a Egiptologia afirme que não há registros desta modalidade de dança nos papiros - as danças egípcias possuíam natureza acrobática. É possível que alguns de seus movimentos, como as ondulações abdominais, já fossem conhecidos no Antigo Egito, com o objetivo de ensinar às mulheres os movimentos de contração do parto. Com o tempo, foi incorporada ao folclore árabe durante a invasão moura no país, na Idade Média. Não há, contudo, registros em abundância de sua evolução na Antiguidade. E há também a versão de ter sido assimilada pelos judeus durante o cativeiro no Egito. E, só após este evento, ter sido assimilada pelos árabes que a levaram ao mundo como parte de sua cultura. No meu entendimento, esta versão é a mais lógica. Afinal, foram os judeus escravizados no Egito por mais de 400 anos. Natural que possam ter assimilado os hábitos dos egípcios. 


As manifestações primitivas da Dança do Oriente que, nos Estados Unidos, ganhou o nome de Belly Dance e na França, Danse du ventre , cujos movimentos originais eram bem diferentes dos atualmente executados, tiveram passagem pelo Antigo Egito, Babilônia, Síria, Índia, Suméria, Pérsia e Grécia, tendo como objetivo através de rituais religiosos, o preparo de mulheres para a maternidade.


Tecnicamente, seus movimentos são marcados pelas ondulações abdominais, de quadril e tronco isoladas ou combinadas, ondulações de braços e mãos, tremidos e batidas de quadril (shimmies), entre outros. Ao longo dos anos, sofreu modificações diversas, inclusive com a inclusão dos movimentos do balé clássico russo em 1930.


Dentre os estilos mais estudados estão:


Egípcia: manifestações sutis de quadril, com deslocamentos mais amplos em contraponto aos movimentos de braços e mãos simplificados, adaptados do Balé Clássico, entre outras características.


Norte-americana: manifestações mais intensas de quadril, deslocamentos amplamente elaborados, movimentos de mãos e braços mais bem elaborados, com influência do jazz, além do  Balé Clássico;


Libanesa: com shimmies mais amplos e informais, seguidos de deslocamentos simplificados, entre outras características.


No Brasil há uma tendência em mesclar os detalhes de cada cultura. O que torna a dança mais criativa e descontraída....


Há outros tipos que, na verdade são variações adaptadas a outras culturas como a versão tribal, que NÃO é de fato, dança do ventre, ela é uma mescla de diversas técnicas e danças, com predominância do flamenco, dança indiana, turca e árabe-israelense e, a partir dos anos 80 passou a englobar também técnicas de balé clássico. Há também versão cigana (mesclando dança espanhola, turca, egípcia entre outras) e até versão gótica (originada há poucos anos nos Estados Unidos trazendo elementos mais sombrios e mesclando música oriental e indiana), entre outras. 


Você gosta de dança do ventre? Então você vai amar o meu novo romance “Planos para o passado”. Ele traz a história de Arine, uma Escritora que ama dança do ventre e, durante o desenrolar das cenas, ela dança algumas vezes, descrevendo os passos, além de ter uma profunda descrição das várias intenções da dança dos sete véus. 


Para ler esta história,   


                     clique aqui


Se tiver bloqueador de pop ups, clique na capa do e-book a seguir





Se quiser mais informações, leia a sinopse a seguir:


Uma simples viagem de volta transforma-se em uma mescla de paixão ardente e ficção científica. O avião, impossibilitado de aterrizar, é arremetido por três vezes pelo experiente piloto. Em meio ao pânico de alguns passageiros que temem a queda do avião, Arine, que é Escritora e Ativista Vegana, começa a relembrar seu passado, seus amores... Alguns vividos ardente e até escandalosamente, outros interrompidos, outros sequer experimentados. E, mentalmente, tenta mudar o rumo deles. Então as cenas voltam à mente dela e ela as revive como se acontecessem naquele momento.Tudo isso regado a muito romantismo, impetuosidade, sensualidade e dança do ventre. 

Ela acaba tendo uma única certeza, quer o divórcio e quer recomeçar a vida de forma totalmente diferente. Pensa, inclusive, em procurar Eduardo, um Investigador de Polícia que ela amou há muitos anos atrás... Mas uma grande surpresa a aguarda no aeroporto e poderá mudar sua vida para sempre. Isso... se aquele avião, finalmente, conseguir pousar em segurança...


Para ler esta história,   


                     clique aqui


Se tiver bloqueador de pop ups, clique na capa do e-book a seguir